12 maio 2008

Alguns certos dias têm cara de vida inteira [parte 5]


Antes de se deitar, Jonas comeu uma maçã. Ela estava na fruteira já há vários dias e aproximava-se o fim cruel de apodrecer ali, sem alternativa, mas Jonas devorou-a com fome de uma ansiedade que não passava. Novas forças nasciam para ambos, de diferentes formas.

Aquecido, num travesseiro fofo, abraçando um grande urso marrom, custou a dormir. Via flashes daquele dia interminável e o tic tac do relógio batia com peso em sua leve dor de cabeça. Às 23:59 vidrou os olhos no relógio por exatos dois minutos e quando teve certeza absoluta de que um novo dia havia começado, sentiu um arrepio. Os pensamentos se dispersaram com rapidez, e o garoto apagou a luz do abajur para se entregar à escuridão de brancos momentos em que já não se pensa mais em nada.

5 comentários:

Maria Paula disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria Paula disse...

não é uma critica construtiva, mas é pra avisar q meu blog agora é o www.exquadros.blogspot.com

bjinhs!

mariana! disse...

eu tenho maior medo de dormir e esses dias - que são vida inteira - se apagarem da minha memória. mas isso só acontece quando eu estou em dias comuns, porque nesses, nada mais importa.

eu adoro o jeito que você escreve. sério.
eu amo você, cá! :)

Lá;* disse...

Cá?

Lá;* disse...

É, eu tô por aqui a algum tempo já!

Seus textos são demais, honey!

Te amo mucho!