23 maio 2009

Tudo isso é paz, tudo isso traz...

Em momentos assim, as palavras não saem tão facilmente. Tem um nó na garganta que aprisiona uma felicidade pura, concentrada. A voz sai desafinada e as palavras, simplesmente se escondem em lugares que eu não vou encontrar enquando estiver procurando por elas.

É que palavras são como peixes. Pra gritar, no meio do alvoroço, elas fogem, nadam, lisas, escorregam por entre os dedos, língua, dentes. Elas mordem a isca em momentos calmos, com leveza, elas, enfim, mordem a isca. Com paciência e concentração, podem ser saboreadas cuidadosamente, como peixes.

Mas momentos como este não são de palavras, nem de peixes. São momentos-aves, instantes alados. Contenha-se, menina. Rasga o céu em dois a alma, dividindo tudo o que é materia do que é sentir, filtrando, decantando, cantando alto. Palavras ecoam sem sentido e os significados parecem hiperbólicos, exponenciais.

Em momentos como este, só há felicidade, sorrisos largos e frios na barriga. E tudo o que é além não tem serventia. Tudo o que é além vem à tona pra separar esta mistura. Tudo o que é além é aquém. E a quem? Não a mim, porque a mim - isto basta.

2 comentários:

ester disse...

as palavras me encantam,como encantam à você,como você me encanta....

Pati :) disse...

Você não se controla e fala muito alto em momentos assim. E ri sem parar, até mesmo quando ela já foi embora.